Academia YPY - Consultoria & Soluções

nascimento@ypysolucoes.com.br

 

A cada ano, a data referenciada na semana do 8 de março, retrata que avanços significativos foram alcançados nestes últimos anos, no que se refere às lutas e reivindicações das mulheres, mas, muitos desafios ainda estão por serem vencidos, sobretudo, no que diz respeito à violência em todas as suas formas, praticada contra a mulher.

 

O combate à violência em todas as suas formas e principalmente à violência doméstica necessita de novos olhares e do envolvimento concreto de novos agentes, para seguir seu curso de luta estruturante, transformacionista e efetivo avanço.

 

Ao longo de anos, tenho dedicado uma atenção especial à implantação ações de formação e de políticas públicas de microcrédito direcionadas às mulheres. A experiência com ações voltadas à Economia Solidária e ao próprio micro-crédito me faz afirmar com clareza objetiva, que em muitos casos o fim da violência praticada contra uma mulher, tem um custo, que muitas vezes é o valor de uma máquina de costura, de um tacho para frituras, de um cilindro de pães ou de uma cesta de linhas e retalhos, ou seja, custa pouco.

 

Uma pequena quantia de valores, seria o suficiente para oferecer à mulher as condições necessárias, por meio da geração de renda, para criar independência de seu algoz.

O relatório do Centro pelo Direito à Moradia contra Despejos (Cohre), intitulado “Um Lugar no Mundo”, analisa a questão da violência contra a mulher no Brasil, na Argentina e na Colômbia.

"A dependência econômica aparece como a primeira causa mencionada pelas mulheres dos três países como o principal obstáculo para romper uma relação violenta", diz o estudo.

 

Sendo assim, surge a necessidade da fomentação do microcrédito às mulheres e de uma política de educação financeira associadas, tais ações, sempre com estruturação de uma nova planta neurológica, conseguida através de cursos e treinamentos de base experiencial e não mais apenas motivacional, (veja mais sobre em www.ypysolucoes.com.br).

 

Há eminente necessidade, que o poder público, em todas as suas esferas, desperte para a incrível transformação social que um fundo de micro-crédito é capaz de oferecer, particularmente para o combate à violência contra a mulher, dando a elas autonomia e educação financeira, destaco aqui, nada ter a ver com as atuais políticas redistributivas como bolsa família e outras mais desvirtuadas de seu real objetivo ao longo dos anos. É preciso inovar, reinventar as ações.

 

O tema não é novo, os governantes presos à burocracia e ao jogo de políticas pirotécnicas, não são capazes de acompanhar as boas conquistas formuladas pelos movimentos sociais. É preciso mais ação, encontrar o tempo certo das necessidades da sociedade, sobretudo dos setores menos providos de recursos e condições, para que possam criar novos paradigmas em suas vidas, aqui, com especial atenção às mulheres vitimadas pela violência.

 

Em Bangladesh, o Grameen Bank ou o “Banco dos Pobres”, surgiu revestido de desconfianças em uma das regiões mais miseráveis do mundo. Porém nasceu desafiante e decidido, através da iniciativa do economista Muhammad Yunus, de dotar pessoas marginalizadas na sociedade, para o patamar de serem cidadãs e cidadãos integrados em uma rede de crédito e produção autogestionária.

Muito mais do que o crédito, esta ação, possibilita que se rompa o ciclo da dependência, da cultura machista e escravocrata de submissão feminina e da relação onde manda quem tem posse, neste caso o dinheiro do sustento, rompe-se a miserabilidade econômica e a fragilidade social.

Em Bangladesh o chamado “banco dos pobres”, estabelece algumas regras para a concessão do crédito. Uma delas é que o crédito esteja prioritariamente destinado à mulher, evidentemente tal critério tem seu sentido próprio.

 

Coordenei em Araraquara SP, no ano de 2006, uma experiência interessante de política de microcrédito que se materializou por meio da mobilização de um grupo de mulheres envolvidas com um projeto de produção social, denominado de Girassol, projeto este, organizado por mulheres em busca de autonomia que visava fomentar ações autogestionárias, que foram à Plenária Temática das Mulheres do Orçamento Participativo e fizeram aprovar a criação de um fundo de microcrédito público e na esfera do município para as mulheres, que inicialmente contou à época com uma dotação orçamentária de 200 mil reais para a sua implantação, que infelizmente se perdeu ao longo da burocracia e da falta de inovação da máquina pública. Mas o assunto continua em pauta em todo o Brasil, necessitando de urgência e por sua peculiaridade, esta demanda não pode esperar.

 

Hoje, o Grameen Bank prioriza cerca de 95% do crédito às mulheres, sendo que mais de 50% das tomadoras do crédito, já não estão mais abaixo da linha da pobreza. No Brasil experiências se multiplicaram: Porto Sol em Porto Alegre, Banco de Palmas, Cred Amigo no Nordeste, Fundo de Microcrédito no Viva Rio, Crescer em Ribeirão Preto, e muitas outras. Umas avançaram, outras não, mas todas deixaram um legado de aprendizado a serem resgatados e reinventados.

 

No Brasil, devemos trabalhar para que os ventos do crédito solidário às mulheres finalmente aportem como ação concreta de autonomia e recomeço para as mulheres vitimadas pela violência de gênero.

 

A dependência econômica é sem dúvida o principal elo de manutenção do cenário dantesco de violência contra a mulher que ainda vivenciamos nos dias de hoje. A política de microcrédito é central para romper com esta dependência. É à partir da certeza do crédito, que deveremos formatar políticas acessórias de capacitação profissional, apoio psicológico, sociabilidade de grupo, reconstrução neuro desenvolvimentista, de educação financeira, entre outras, com a compreensão necessária, que tal política tem que ser pública, pois é dever e responsabilidade do Estado, aqui entendendo também os municípios, o dever constitucional de prover direitos, sendo direito da mulher, viver e conviver numa sociedade que oportuna dentre outros bens, o bem maior, a segurança, trabalho, renda e a vida digna.

 

Para finalizar, chamo a atenção, que os setores produtivos, através de empresas, órgãos de suas representações corporativas e sobretudo de suas lideranças devem assumir o papel de fomento deste tema, impulsionando o, sobre as bases dos agentes políticos e dando o devido direcionamento e pontuando o tema também entre seus colaboradores, clientes, fornecedores.

 

Em 2017 tive o prazer de conhecer duas pessoas com experiências e ações concretas e preocupações salutar, que me permito citá-las: Luiza Helena Trajano do Magazine Luiza e Marly Vidal, diretora administrativa do Laboratório Sabin medicina diagnóstica. Claro que outras experiências ainda que insipientes pelo Brasil, devem existir e mais ainda, devem se tornar públicas, como forma de socializar experiências e fortalecer tais ações.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

8 DE MARÇO, MICRO-CRÉDITO COMO POLÍTICA ANTIVIOLÊNCIA

March 2, 2018

1/6
Please reload

Posts Recentes

September 25, 2017

Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

MENU

NEWSLETTER

REDES SOCIAIS

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • White YouTube Icon
  • White LinkedIn Icon

Nº DE VISITANTES

AGENDAMENTO E INFORMAÇÕES

TELEFONES:   SP  11 • 95159 5390  |  16 • 99722 5441

E-MAIL: nascimentoypy@gmail.com  ou  comercialsudeste1@ypysolucoes.com.br

ou nascimento@ypysolucoes.com.br

© 2017 - ACADEMIA YPY SOLUÇÕES IN COACHING

DESENVOLVIDO POR TF COMUNICAÇÃO